2008-02-08

Abismo



Quando ouvi tua voz
E meus olhos entraram nos teus,
Foi como sentir que Deus
se havia lembrado
Que vivo escrevendo aos céus,
Pedindo um amor só meu.

Quando o vi na estação,
Senti que meu coração
Por fim...
Havia se abrigado.

Achei que a tua poesia,
Casava com os versos meus.
Que tuas mãos eram pares das minhas
E nossos pés seguiriam a mesma trilha,
E nossos sonhos dormiriam juntos;
No mesmo ninho.

Mas fiquei com as mãos estendidas
E os pés, sem destino...

Maria Eugênia
SP.04/02/2008

3 comentários:

Pedro Rosas disse...

fiquei lisonjeado por tudo que disse sobre minha narrativa. agora me resta mergulhar em sua poesia...

Verluci Almeida disse...

Achei que a tua poesia,
Casava com os versos meus.
Que tuas mãos eram pares das minhas
E nossos pés seguiriam a mesma trilha,
E nossos sonhos dormiriam juntos;
No mesmo ninho.

...

simplesmente lindo...

newtonbrum disse...

Abismo é um conjunto de versos que tem a grandeza de uma obra inteira, é auto-suficiente sem ser arrogante, é auto-análise sem ser patética e é quase tão maravilhosa quanto a autora dos versos. Amei, como de resto amo quem a escreveu.