2007-11-20

...

Talvez hoje eu te ame.
Tua pele quente me arranhe
Tua pesada mão domine,
Teus dedos longos me assanhem

Talvez hoje eu te seja
E quem sabe me sejas também
Num ser de quem tem
E possui,
E de quem deseja e tem.

Talvez eu te lambuze de amor
Talvez te inunde em sabor
Talvez...
Simplesmente talvez.

S. Paulo, 20 de novembro de 2007-11-18 Maria Eugênia

Um comentário:

newtonbrum disse...

Minha querida Eugênia, lindas essas tuas palavras, mas me atrevo a discordar só um pouquinho: talvez nunca será simplesmente talvez, pois carrega consigo uma imensidão de desejos, sonhos, dúvidas e a inarredável certeza de que possa nunca ser mais do que talvez.